sexta-feira, 29 de julho de 2011


Charlotte york and Miranda Hobbes in Sex and city 2

Das saudades que eu tenho de uma bela tarde com a minha M. Já está combinada uma saídazita  lá para meio de Agosto. Tenho saudades dela e das palavras dela.
Se há coisa mais boa deste mundo, é ter um(a) grande amigo(a) com quem se partilhe as nossas coisas mais intímas, maluquices, cusquices e afins.

P.

sábado, 23 de julho de 2011

Psicologia do amor (4)


Podia perder-me contigo do que perder-te a ti. Podia sonhar contigo do que tu não sonhares (comigo). Podia prender-te nos meus braços do que deixar-te fugir. Podia amar-te, amar-te até não puder mais, mas quero que me ames também, que sintas a minha falta, que sonhes tu comigo, que me digas "Boa noite P!", que me prendas nos teus braços e que sinta que esses braços são como a minha almofada, em que me deito, penso e sonho (contigo).
Um dia apareceste na minha vida, sei que não foi por acaso, sei que foi para me "ajudares". Foi uma altura difícil. Estiveste sempre lá, esperaste e desesperaste, tentaste esquecer, mas o sentimento era mais forte do que alguma vez tu sentiste, movia o Mundo e movia-me a mim.
Prometi que um dia iria olhar o céu contigo, que tocaria uma música para ti. Prometi ser sempre a "tua" amiga, mas não consegui. Hoje sou apenas "uma" amiga e tu és mais do que alguma vez eu quis.
Podia ter-te aqui, hoje. Podia estar a abraçar-te agora. Podia, podia ser a "tua" amiga, hoje. Não o sou. Podia o céu ser azul, vermelho e cinza. Podia ter o Mundo nas mãos e a ti também. Mas hoje, prefiro ter o Mundo que é de todos e ter-te a ti no coração, que é só meu.




P.S: Prometo que um dia, um dia ainda vamos voltar a ser a felicidade juntos.


P.

terça-feira, 19 de julho de 2011

You're a part time lover and a full time friend !

domingo, 17 de julho de 2011

Suspirossssss '$

Mensagem Perfeita

You've been on my mind
I grow fonder every day loose myself in time
Just thinking of your face God only knows
Why it's taking me so long to let my thoughts go
You're the only one that I want
I don't know why I'm scared, I've been here before
Every feeling every word, I've imagined it all,
You never know if you never tried to forgive your past
And simply be mine

I dare you to let me be all, the one and only
Promise I'm worthy to hold in your arms
So come on and give me the chance
To prove up I'm the one who can
Walk them miles until the air starts
I've been on your mind

You hang on every word I say, lose yourself in time
At the mention of my name, will I ever love
How it feels to hold you close
And have you tell me which ever road I chose you'll go
I don't know why I'm scared, I've been here before
Every feeling every word, I've imagined it all,
You never know if you never tried to forgive your past
And simply be mine

I dare you to let me be all, the one and only
I promise I'm worthy to hold in your arms
So come on and give me the chance
To prove up I'm the one who can
Walk them miles until the air starts

I know it ain't easy
Giving up your heart
I know it ain't easy
Giving up your heart
Nobody's perfect, it ain't easy, trust me I've given up your heart
Nobody's perfect, it ain't easy, trust me I've given up your heart
I know it ain't easy
Giving up your heart
Nobody's perfect, it ain't easy, trust me I've given up your heart
I know it ain't easy
Giving up your heart
So I dare you to let me be all, the one and only
I promise I'm worthy to hold in your arms
So come on and give me the chance
To prove up I'm the one who can
Walk them miles until the air starts
Come and give me the chance
To prove that I'm the one who can
Walk them miles until the air starts.

M.

sábado, 16 de julho de 2011

Recordação momentânea / Música ♥



Quando dizes Cry me a river (depois de eu fazer mais uma das minha birras), eu riu e sorriu de ti e para ti!
Segundos depois, lá te lembras que há uma música com este nome e vamos ouvi-la.

Uma parvoíce minha '$

M.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

 Coldplay - Strawberry swing


Now the sky could be blue I don't mind
                                                       Without you it's a waste of time.
(...)
Now the sky could be blue could be grey
Without you I'm just miles away.

Psicologia do amor (3)




Encontrei esta fotografia no Google. Achei-a completamente linda. A cultura que mais me entusiasma é sem dúvida a Hindu. São todos muito religiosos, mas com imensos deuses, cada um para alguma coisa, vestem-se de uma maneira sofisticada e cheia de pormenores, têm animais como sagrados, etc. 
Esta senhora/rapariga que está na foto está vestida para a celebração do casamento, lá duram semanas é como uma maneira de durar mais tempo, ideia de prolongamento, de promover que assim o seja durante muitos anos. Cá, em Portugal é um único dia, não por ser em Portugal, mas devido à religião. 
Muitos dos casais hoje em dia casam num dia e no outro já estão divorciados, literalmente. Hoje o amor já não é como há uns anos atrás, hoje há poucos casais com 25, 50 anos de casados. O amor a cada dia evapora-se mais, até que um dia vai formar uma imensa nuvem de água+amor  e cairá em forma de chuvinha miudinha para a Terra. É por isso que hoje, de cada vez que chove e vão dois amigos na rua, envergonhados com medo de dar o 1º passo, a chuva encarrega-se de os juntar.


P.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Weird stuff



Não tenho a certeza se estes sapatos são mesmo Dior, mas sei que os tirei de uma página com coisas da Dior, e sim, isto é no minímo weird but fun at the same time, mas não andava com nenhuns na rua. Duvido seriamente que seja apropriado para andar pelas calçadas de Portugal.

P.

domingo, 10 de julho de 2011

Ir ao céu e voltar.


Temporada 1, episódio 8 in Drop dead Diva.


Aos sábados dá a nova série da sic "Drop dead Diva", uma série sobre o amor, a perda e a vida de uma mulher obesa que tem todo o tipo de atentados pelo facto de ser assim, um pouco "maior" que as pessoas ditas normais, em termos físicos.
Não perco um episódio, adoro cada um deles e a luta constante da Jane (Brooke elliot), é uma advogada brilhante e agora com uma personalidade diferente desde que a "alma" da Deb, uma belíssima modelo que não teve boas nem más acções e então, ao clicar no botão "enter" foi reenviada para a Terra no corpo de Jane.
Neste episódio 8 da série, Jane teve que defender um director de uma fábrica de cortadores de relva, esse mesmo senhor esteve às "portas" da morte e foi ao céu e voltou mas com uma maneira de pensar diferente, essa maneira de pensar poderia parecer louca mas era secalhar a melhor maneira de olhar para o Mundo.
Após ter visto esse espisódio pôs-me a pensar sobre a vida e o facto da nossa existência.
Somos secalhar o ser vivo mais incrível do Mundo, do Universo até, somos racionais, conseguimos descobrir coisas que sem nós poderia nunca se saber, temos o direito de apreciar aquilo que algum ser irracional consegue ver mas é lhe indiferente, pois não percebe o que é.
Temos o céu aos nossos pés, temos um imenso azul para abraçar e conhecer, temos um sol, água, vida, temos vida! A vida é curta demais, num piscar de olhos podemos estar aqui e no segundo a seguir já não. Não estamos assim tão longe do céu e nem tão longe do inexistente.
Jane, não se lembrava já de quem era, da pessoa fantástica que era, seja gorda/magra, bonita/feia, inteligente/menos inteligente, realista/negativo, não interessa como somos, como parecemos, interessa sim é que somos nós e temos de nos lembrar que «Ninguém tem o direito de nos dizer como viver a vida.» Afinal, ela é curta, e não há comboio algum para apanhar com hora marcada, não precisamos de correr. Precisamos é de pensar que podemos ter só esta oportunidade e, se por alguma razão temos que ter duas então pode acontecer como à Deb e como o director da fábrica de cortadores de relva, podemos ir ao céu e clicarmos no botão e regressarmos, mas lembrem-se que se voltaram não foi por acaso.
Um dia, vamos agarrar o momento e vamos subir ao céu num balão, feito de papel, cheio ele de: alegria, amor, compreensão e vida, muita vida.

P.

True Story

Música ♥

"... e um dia vou tirar uma foto assim!"

M.

Mas quem manda aqui?

Anne Hathaway e Jake Gyllenhaal in Love and other drugs


Se é o cérebro quem nos mantém vivos, se é dele que dependemos para sermos considerados "seres animados", também é ele que nos faz perceber que estamos apaixonados. 

Juntamente com o que nos rodeia (deste as pessoas até ao vírus), somos pares acção-reacção. 

Passo a explicar: Quando estamos com frio, a nossa pele sente esse frio. Como existem milhões de células sensoriais no maior órgão do nosso corpo, facilmente se cria um estímulo que percorre os nossos neurónios e chega ao comandante, ao Cérebro. Logo logo o nosso chefe máximo ordena que se ericem os pêlos, tremam os músculos, diminuam o calibre dos vasos sanguíneos para aquecermos.

Ora se não fosse este comando rigoroso talvez morrêssemos de hipotermia. 

Quando estamos numa situação especial com aquela pessoa especial:
A cabeça roda
Os olhos brilham 
Os lábios estremecem
As mãos transpiram
Os pulmões suspiram
O coração acelera
O estômago borboleteia 
As supra-renais trabalham
As pernas tremem
O corpo deseja

Quem permite que tudo isto aconteça? Ora não é o coração. É o nosso cérebro. 
As emoções são controladas pelo cérebro.
Todos os nossos sentimentos e emoções têm a sua origem no interior profundo do cérebro no sistema límbico. Uma lesão nesta parte do cérebro não nos permite ver se as outras pessoas estão a expressar raiva ou tristeza. E não poderemos sentir medo se ouvirmos sons misteriosos na cave a meio da noite. As emoções têm por base os sinais nervosos a partir dos sentidos.

Assim sendo,
Se estamos apaixonados é porque o nosso cérebro quer. Quando sofremos uma desilusão não é o coração que se parte mas sim o cérebro que se despedaça. Não é o coração que precisa de atenção mas sim o cérebro que está carente.


Coitado do nosso coração que, além de  bombear a vida pelo nosso corpo, é sempre culpado da nossa tristeza amorosa. Chega disto, vamos revoltar-nos com o cérebro.


M.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

ele: "Deve estar aos pulos de tanta alegria."
ela: "Não exageres..."
ele: "Alguém vai ter que a acalmar!"
ela: "Como sabes que ela está aos pulos de alegria?"

ele: "Porque sei que tem borboletas na barriga."

"...e um dia vou tirar uma foto assim!"




Enjoy every moment you have in your hand.
And smile!


Psicologia do amor (3)

Rachel Weisz e Ryan Reynolds in Definitely maybe.


Hoje, passei o dia inteiro a estudar com a minha querida amiga F. Foi um dia muito agradável, embora ache que nunca andei tanto de transportes públicos para chegar a um local. Andei de comboio, depois de autocarro e mais outro autocarro... depois a pé, até chegar à Biblioteca Municipal onde estudamos o dia todo, uma canseira, mas uma excelente oportunidade de pôr a conversa em dia. Falámos de quase tudo o que as nossas cabeças e...corações queriam dizer.
Falámos de "ti", muito de ti, o meu pensamento era em ti, o meu coração era em ti, os meus olhos eram em ti, as minhas mãos eram na tua cara, e tudo era em ti... Tinha saudades de te ver escrever, de te responder, de sonhar, de pensar em ti. Manhã e tarde em ti, aqueles pequenos grandes minutos que foram horas. Reviveram-me metade da memória.

Passámos pela chuva as duas (eu, P., e a F.)com uma rapidez que parecíamos passar pelos intervalos das gotas que caiam do céu, muito miudinhas, mas molhámos o cabelo e a roupa toda, soube bem, sentir o cheirinho da terra molhada, do calor que se sentia e de passar por entre a chuva com a amizade de braço dado. Um dia vou passá-la contigo, que não gostas de te molhar com a chuva mas gostas de a ver cair, que ves estrelas cadentes mas não olhas o céu de dia, que pisas o chão mas não o abraças...mas que gostas de mim, quase como eu gosto de ti.
Hoje, passei o dia inteiro a estudar (com a F.; mas contigo no pensamento) o teu ser e a compreendê-lo, nuns minutos que foram horas...

P.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Um dia vamos viajar?

Minha P. de perfeita :D

Hoje, enfiada em casa em frente ao computador ver se os coldplay permitem a transmissão do concerto..


 Devido à minha idade e ao facto de não ter um irmão mais velho, não vou puder ver esta magnífica banda que já é das minhas favoritas, ao optimus alive. Sei que está esgotado o concerto, pudera com uma banda destas que tem cada música fabulosa quem é que perde este concerto? Só mesmo quem não pode..
Pois bem, eu vou ficar com o rabinho sentadito no meu sofá com o pc à minha frente a ver se estes senhores (coldplay) permitem a transmissão do concerto, esperemos que sim, se não vou sofrer muito e só vou puder ouvi-los através da rádio.
Adoro cada música deles, e, pareçe que muitas delas têm uma história por traz - acontecimentos da minha vidinha - a única que não gosto é a viva la vida, não acho piadinha nenhuma, de resto são fantástiscas desde o "strawberry swing" ao "every teardrop is a waterfall", simplesmente adoro-as e algumas dá-me para chorar, então quando estamos assim "murchos" tristes com a vida, ai.... é só suspiros.
Hoje, vou vê-los por um ecrâ pequenino mas um dia vou vê-los ao vivo tal como vou ver os meus Pearl Jam ou simplesmente só o Eddie Vedder.
Há, quem for ver os Foo fighters que se divirta imenso, são outra banda incrível. A minha querida amiga L. vai vê-los, só de pensar ai, é o que dá ter irmãos mais velhos.

P.

terça-feira, 5 de julho de 2011

The truth is...



P.

E já que toda a gente fala de Praia.



E já que todo o Mundo fala de praia, como dizem os brasileiros, eu vou falar de praia.
Anda "tudo" preocupado com as celulites, gorduritas a mais e com o biquíni perfeito. Deviam preocupar-se mais mas é em ir à praia desfrutar de uns grandes banhos de sol e de um mergulho fresquinho no mar. Aiiiii que saudades... Eu que já estou de férias - sorte minha - ainda não pisei o areal este ano, têm estado uns dias de sol magníficos e mesmo assim ainda não fui e porquê? Ora aí está uma boa pergunta. Já me convidaram por duas vezes e nenhuma delas pode ir, a primeira porque tinha dentista... e a outra porque tenho que estudar. Ah pois é, estou de férias e tal mas, ainda me falta um exame e o pior deles todos e tenho 3 semaninhas boas de Julho para estudar. Quem estuda em Julho? Ninguém como é óbvio.
Pois bem, sendo assim, só no final de Julho vou puder desfrutar de um belo mergulho naquelas águas salgadas e de uns bons banhitos de sol.
Aproveitem o Verão :)

P.

O vício da M.


As minhas lindas canetas :D

Saudades tuas! ♥
M.

Música ♥

M.

domingo, 3 de julho de 2011

You promise?

Abigail Breslin e Ryan Reynolds in Definitely maybe.



As crianças têm uma tendência a pedir tudo e mais alguma coisa aos pais e, quando estes não lhes dão insistem muito mas muito o que se torna irritante. Porém os pais acabam por dizer que sim, um sim fingido e a criança faz a tal pergunta muito frequente : "Prometes mãe/pai?". Esta pergunta é feita em tantas ocasiões embora o sujeito e o "destinatário" não sejam sempre os mesmo. 
Prometemos coisas que não podemos cumprir, fazemos prometer alguém que não cumpre e, depois há consequências. 
Nos adolescentes de hoje, e não só de hoje, há promessas de amor eterno e de nunca deixar a pessoa amada, essas pessoas sabem desde do princípio que não vão puder cumprir com o prometido, acreditem ou não, nada é eterno, pode apenas parecer enquanto estamos vivos. Eles cometem esse erro porque estão completamente, profundamente, apaixonados e como diz o velho ditado : O amor é cego. De facto é mas não se aplica em todos os casos como é possível notar.

Não devemos fazer juras de amor profundo e verdadeiro, tudo muda, as pessoas mudam - sim, elas mudam - e a vida dá muitas voltas, temos que saber amar no momento e saber apreciá-lo sempre como se fosse o último, assim temos mais do que garantido que aproveitamos bem e que nada nos passou despercebido e se de facto durar então é porque é amor verdadeiro e isso ninguém pode derrubar a não ser que deixem isso acontecer. O amor não é fácil, mas há que saber torná-lo menos difícil.

P.

"...e um dia vou tirar uma foto assim!"

Odeio acordar quando estou a sonhar


Não há direitos!
Uma menina a dormir tranquilamente, a sonhar o mais perfeito dos sonhos e na hora H...


Pai: M. acorda vá lá! São horas oupa.
M.: Pai. só mais 5 minutos...
Pai: Já!


(e lá tenho de me levantar e ficar sem ver como terminaria o meu lindo sonho)

sexta-feira, 1 de julho de 2011


M.

Escrever



Se eu pudesse havia de... de...
transformar as palavras em clava!
havia de escrever rijamente.
Cada palavra seca, irressonante!
Sem música, como um gesto,
uma pancada brusca e sóbria.
Para quê,
mas para quê todo o artifício
da composição sintáctica e métrica,
este arredondado linguístico?
Gostava de atirar palavras.
Rápidas, secas e bárbaras: pedradas!
Sentidos próprios em tudo.
Amo? Amo ou não amo!
Vejo, admiro, desejo?
Ou não... ou sim.
E, como isto, continuando...

E gostava,
para as infinitamente delicadas coisas do espírito
(quais? mas quais?)
em oposição com a braveza
do jogo da pedrada,
da pontaria às coisas certas e negadas,
gostava...
de escrever com um fio de água!
um fio que nada traçasse...
fino e sem cor... medroso...
Ó infinitamente delicadas coisas do espírito...
Amor que se não tem,
desejo dispersivo,
sofrimento indefinido,
ideia incontornada,
apreços, gostos fugitivos...
Ai, o fio da água,
o próprio fio da água poderia
sobre vós passar, transparentemente...
ou seguir-vos, humilde e tranquilo?
 
Irene Lisboa