sábado, 6 de dezembro de 2014

Home is where love is.



É o que dizem e é quase, mas quase o que sinto. 
Têm sido semanas difíceis, diria que não por estar longe de casa, da minha rua, das pedras da calçada gasta da minha rua, das viagens de comboio, da serenidade da minha vila, de ver pessoas conhecidas, de ver a família e saber que qualquer coisa alguém estará lá sempre para quando precisar. Não digo que seja isso, sinto uma falta enorme dos amigos, dos que fiz na primeira semana de praxe no Porto, das viagens de comboio com o meu pessoal de longe, de acordar as 6h30 da manhã para estar as 8h01 em Gaia, saudades do lenço amarelo, saudades dos Doutores de lá - alguns em específico - de ver gente conhecida do secundário, especialmente de todos os dias ver a beleza do magnífico Porto do lado de Gaia. Acho que nunca pensei criar ligações tão fortes em uma semana... Não, que não tenha amizades dessas em Vila Real, que as tenho, mas é diferente. Gostava de ter o melhor dos dois mundos num só sítio. 
Os meus padrinhos de praxe vão este fim de semana para cidades diferentes em estágio... Só os volto a ver agora em finais de Dezembro ou só mesmo em Janeiro. Dias complicados se avizinham... Tenho uma relação muito forte com eles, posso mesmo chamar-lhes de família, uma família que cuidarei e espero que permanece durante os 4 anos seguintes, mas também para a vida. Gosto imenso deles. Estou farta de ver as pessoas com vontade de desistir, com saudades de casa, com saudades de tudo e mais alguma coisa. Eu só tenho saudades de uma coisa muito em especial, saudades de amar. Daquele tipo de amor que só uma pessoa te pode dar... Talvez isso não esteja assim tão longe, ou talvez sim. 

3 comentários:

Pipo Santos disse...

Como sei o que sentes! *
Força!

Marisa Costa disse...

Ou talvez não ;)

Pipo Santos disse...

Bem, estando eu na Suiça, tendo deixado a minha namorada em Lisboa, juntamente com os meus pais e irmãos, é caso para dizer que sei bem o que é! *